domingo, 27 de julho de 2014

ALAN RAJÃO: “’CARREIRA ÚNICA’ É A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS CORPOS DE BOMBEIROS E POLÍCIAS DO BRASIL”!








Alan Rajão, que é bombeiro militar, engenheiro e especialista em segurança, com cerca de 23 anos de serviços prestados ao CBMDF, sentencia: “a Carreira Única deve ser encarada como o alicerce para o aperfeiçoamento da Segurança Pública no Brasil. Sem a real valorização do Profissional que faz a Segurança Pública, nós não teremos um serviço de qualidade prestado à Sociedade”. E ainda diz: “em função da crescente demanda da Sociedade por Segurança Pública, ela exige que o nosso serviço seja de excelência. Mas para isso, temos que ter profissionais mais experientes e maduros no ciclo de gestão. E a ‘Carreira Única’ é a melhor solução para esta necessidade”.

Alan Rajão, que é candidato ao cargo de deputado distrital, diz que se for eleito, terá a ‘Carreira Única’ como a maior prioridade em seu mandato. "A minha prioridade, e a do futuro Governador do DF – pois lhe entregarei todo o arcabouço ‘técnico-jurídico’ para a sua implementação - será a ‘carreira única’ para o CBMDF e para a PMDF. O DF sempre foi o exemplo para os demais Estados. Entretanto, vemos Rondônia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e outras Unidades da Federação tratarem sobre o tema e nós, da Capital do País, permanecemos inertes, e ainda investindo no arcaico e desleal modelo, que está comprovadamente superado”.

“Já que passamos a exigir que o Soldado BM e PM tivessem curso superior, devemos garantir que este profissional possua uma ascensão profissional condigna à sua formação. Exigir que um ‘doutor’ esteja apenas restrito a uma atividade de execução por toda a sua carreira é um desrespeito ao profissional, à sociedade e ao erário público. Temos que admitir também que estes profissionais venham acessar aos ciclos de gestão. Não só o Estado mas, principalmente, a Sociedade ganharão com esta mudança”.

“Temos também que acabar com alguns termos que se tornaram por muitos pejorativos para o profissional BM e PM, tal como o denominado termo praça. Aqueles que assentam ‘praça’ numa instituição militar em qualquer parte do mundo são pessoas com contrato temporário de trabalho e depois desmobilizados, retornando à vida civil. Não é o caso dos BMs e PMs brasileiros, pois exercem o ofício de bombeiro e de policial, respectivamente. Este são Agentes do Estado executando tarefas típicas de Estado, que não podem ser executadas por entes privados. Logo, são oficiais do Estado, para garantir a segurança do cidadão e da Sociedade. Desta forma, as atuais praças deveriam ser alavancadas ao oficialato, pois já são profissionais e exercem o ofício de bombeiro militar e policial militar!”

“Temos que ter praças, sim, mas estas devem ser temporárias e a atividade temporária tem que cumprir com o seu papel social, a de dar o primeiro emprego ao jovem brasileiro e dar condições para que ele possa ter estudo e uma qualificação profissional para que ele tenha acesso ao mercado de trabalho”.

“Se para ser Juiz, o profissional operador do direito deve ter, pelo menos, 3 anos de prática jurídica, por que não exigir este mesmo critério para acesso às carreiras de Bombeiros Militares e Policiais Militares? Entendo que para ingressar nas Academias de Bombeiro Militar e de Polícia Militar o candidato deva ter, pelo menos, 3 anos de exercício de atividade ‘Bombeiro ou Policial Militar’. Assim, teremos Oficiais de Academia com uma experiência operacional, o que resultará na diminuição do período de formação, economia em recursos públicos e no ganho em qualidade dos futuros oficiais”.

 “A ‘Carreira Única’ deve ser encarada, não como uma ‘ação de governo’, mas como uma ‘POLÍTICA DE ESTADO, PARA O APERFEIÇOAMENTO DA SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL’”, completa Rajão.

Alan Rajão considera que a ‘Carreira Única’ é o primeiro passo para que haja as outras mudanças estruturais necessárias e desejadas pelos profissionais militares de segurança pública. “Temos que ter uma verdadeira reestruturação que contemple não apenas uma pequena parcela dos integrantes das instituições, mas que atinja a todos! Temos que ter uma verdadeira ‘reestruturação’. Temos que implantar o ‘Código de Ética para os Militares do DF’, extinguindo o absurdo da punição administrativa de privação de liberdade e a aplicação do arcaico, ilegal e inconstitucional RDE para o CBMDF e para a PMDF. Temos que ter promoções independentemente de vagas e um melhor padrão remuneratório, pois o custo de vida no DF é muito alto. E ainda, nós deveremos receber sob a forma de subsídio, pois é obrigação constitucional do Estado nos pagar desta forma. Só assim os inativos e pensionistas serão beneficiados, com igualdade de condição ao militar do serviço ativo”.

“A CARREIRA ÚNICA é um instrumento de fortalecimento e valorização da profissão, sendo pertinente ressaltar que a carreira única não prejudicará quem já está nas instituições, mas sim, irá valorizar o profissional bombeiro e policial do DF !”

Alan Rajão diz que a proposta de ‘Carreira Única’ será apresentada em breve, constituindo-se a sua principal bandeira.





FONTE: JORNAL GALO DE BRIGA - IMPRESSO - ESPECIAL SEGURANÇA PÚBLICA 

STF mantém suspensão dos direitos políticos de Jaqueline Roriz

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, manteve hoje (25) a suspensão dos direitos políticos da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN). Condenada por improbidade em segunda instância, a parlamentar recorreu à Corte com a alegação de que ações cíveis não poderiam gerar a sanção de perda de direitos políticos.
O ministro Lewandowski argumentou que “o Constituinte originário dispôs expressamente quais seriam as sanções para os agentes que sejam condenados por atos de improbidade administrativa: a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário”.
Na reclamação, constavam ainda como interessados o ex-governador José Roberto Arruda, Durval Barbosa Rodrigues e Manoel Batista de Oliveira Neto, marido de Jaqueline. Eles foram condenados no mesmo processo.
Fonte: Eixo Capital COM O BLOG DA CRIS

PITIMAN: táfalado




Após meio século de política, o senador Rodrigo Rollemberg não quer deixar que os novos possam se apresentar ao eleitorado e exercer um direito legítimo. Aliás, apresentar-se como novidade é, pelo jeito, algo contestado por quem tem pouca vontade  de acordar cedo para trabalhar.


Luiz Pitiman, candidato a governador pelo PSDB.

FONTE: DO ALTO DA TORRE